Bebê de oito meses inspira milhares de novos doadores de órgãos

Está crescendo o número de novos assinantes para doação de órgãos após a morte.

Com a doação de órgão é possível salvar vidas, por isso as instituições de saúde se empenham em fortalecer as campanhas de esclarecimento sobre a importância de orientar a família ou deixar por escrito, o desejo de doar os órgãos quando morrer.

Parece um pouco fúnebre pensar na própria morte, mas a finitude faz parte da vida e precisa ser vista com naturalidade, o que não signifique que a pessoa tenha que ficar pensando nisso ou pare de lutar quando estiver doente, ao contrário, é preciso investir na vida, ter sucesso profissional, constituir família, amar, comemorar os bons momentos, viajar, ter um hobby, ser feliz e se cuidar para ter saúde e prevenir doenças. A campanha trata apenas de conscientização diante do óbito.

Esse bebê é a prova do quanto o transplante é importante para muitas pessoas que estão nas filas como receptores de órgão, pois a vida deles depende dessa generosidade.

Evan Goodbrand tinha na época, somente 8 meses e já sabe o que é ter a vida por um fio. Sem o transplante de fígado ele não teria resistido. Graças a generosidade de uma família que perdeu um ente querido, Evan teve uma nova chance e agora está com 9 anos de idade.

Quando estava com 8 meses, o bebê Evan foi diagnosticado com uma complicação, atresia biliar. Muitos recém-nascidos podem ter esse mesmo problema.

Os pais de Evan, Karen e Paul, entraram numa corrida contra o tempo. Eles foram informados que para salvar a vida do bebê, a única saída era encontrar um doador compatível.

Sem dúvida que é um momento de dor e muito delicado para a família que tem de sepultar uma pessoa amada, mas se não fosse a generosidade dessas pessoas, o pequeno Evan e também outras pessoas na Escócia, não teriam tido a chance de viver.

 

Menina fez pedido comovedor e quer ganhar ‘pais’ pelo Natal

Morreu o bebê que se engasgou com uma uva no restaurante. Veja como evitar